O Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e o Instituto de Engenharia do Paraná (IEP), com o apoio da Prefeitura de Pontal do Paraná e da Unilivre, promoveram o webinar  “Mobilidade em Pontal do Paraná: dificuldades e perspectivas”. Durante o debate, realizado em 10 de junho, foram apresentados dados atuais e projeções sobre a mobilidade urbana do município, além dos projetos que poderão intervir no contexto da mobilidade na região e discussões sobre alternativas e soluções para os problemas enfrentados.

Confira a seguir as declarações sobre o evento e os principais pontos levantados durante o debate:

 

“A região de Pontal do Paraná é de interesse para diversas atividades econômicas de importância local, estadual e federal. Possui uma localização estratégica para atividades do setor de energia em função de sua localização em relação ao Pré-Sal, um calado adequado para navegação numa região bem abrigada para atividades portuárias, com atividades industriais já licenciadas e uma localização estratégica para acesso à Ilha do Mel, Baía de Paranaguá e diversos balneários, permitindo atividades de turismo, e finalmente vem se consolidando como um polo universitário regional com grande potencial de expansão. Muitas dessas atividades já se encontram licenciadas, e já afetam e afetarão ainda mais no futuro a mobilidade na região. Há uma forte necessidade de organizar o espaço territorial do município para permitir que todas essas atividades convivam de maneira a garantir qualidade de vida para toda população. Os aspectos urbanísticos, de saneamento básico e de mobilidade devem estar integrados. Neste contexto, este Plano de Mobilidade em desenvolvimento reveste-se de importância crucial para garantir para toda a população os benefícios do desenvolvimento econômico e social da região”.

Eduardo Felga Gobbi

Professor Dr. e coordenador do Curso de Engenharia Ambiental da UFPR

 

 

“A correta aplicação da Política Nacional de Mobilidade Urbana evidencia a necessidade do envolvimento e de ações das diversas esferas governamentais e, igualmente, da conscientização da população na implementação de medidas que estimulem melhorias na mobilidade das cidades, além da utilização de meios de transporte coletivos e não motorizados. Os estudos já iniciados em Pontal do Paraná permitiram identificar diversos aspectos, que isoladamente ou em conjunto, merecem o esforço conjugado da população e do Poder Público na busca de soluções. Considerados os acidentes de trânsito como um importante indicador, a grande ocorrência de acidentes com motocicletas (30%), com bicicletas e pedestres (15%) evidenciam a necessidade de adequação da infraestrutura viária, de sua adequada sinalização e da ação educativa e fiscalizatória de boas práticas operacionais.

Destaca-se a existência de diversos projetos de infraestrutura de relevante importância ao litoral paranaense, no entanto, observa-se que estes não foram pensados de forma integrada e, consequentemente, o Plano de Mobilidade de Pontal do Paraná deve considerar os efeitos sinérgicos e dos diversos cenários que poderão ocorrer, seja da gradativa implantação de todos os empreendimentos previstos, de suas implantações parciais, ou mesmo, da não consecução destas iniciativas. A discussão do assunto ganha corpo quando se sinaliza para o possível desenvolvimento econômico, composto por atividades turísticas, industriais e logísticas do município. Do ponto de vista temporal, já estamos atrasados neste planejamento e a importância do assunto convoca toda a sociedade para integrar esta força-trabalho em prol da mobilidade de Pontal do Paraná”.

Eduardo Ratton

Professor Dr. titular da UFPR e coordenador do Plano de Mobilidade de Pontal do Paraná

 

 

“Na condição de Presidente da ACIAPAR, foi uma honra participar do evento realizado pelo ITTI/UFPR, em parceria com o IEP, e poder debater sobre um projeto desta magnitude com técnicos de tamanho quilate. Também quero cumprimentar a Prefeitura de Pontal do Paraná por encampar este projeto inovador. Aliás, inovação tem sido uma constante, recentemente lançamos o Projeto de Desenvolvimento Econômico (PRODEC), uma parceria Prefeitura/Câmara Municipal/ACIAPAR e SEBRAE, embrião do futuro Conselho de Desenvolvimento Econômico de Pontal do Paraná. Enfim, quero declarar o apoio da nossa entidade ao projeto, especialmente por contemplar a defesa da faixa de infraestrutura e do terminal portuário defendido por nós durante o debate que contou com o apoio unânime dos participantes.

Estamos passando por uma crise sem precedentes na história recente do país, os impactos da pandemia sobre a vida das pessoas e da economia são incalculáveis, o momento é de planejar a retomada da economia. Indiscutivelmente, o setor de infraestrutura faz parte deste planejamento pelo fato de gerar emprego e renda a médio prazo, entretanto, é notório que os recursos serão limitados, neste quesito Pontal do Paraná sai na frente. A cidade conta com um investidor disposto a investir R$1,5 bilhão (recursos privados) na construção de um terminal portuário no município, aguardando apenas o Governo do Estado assinar o Edital de licitação para a construção da faixa de infraestrutura. É importante frisar que vai empregar direta e indiretamente 6.000 pessoas, trazer grandes navios, empresas de exportação e importação que vão movimentar a economia, multiplicar o movimento do comércio e demandar serviços de toda natureza, além de acrescentar milhões de reais à arrecadação do município”.

Ércio Luiz Weschenfelder

Presidente da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Pontal do Paraná (ACIAPAR)

 

 

“A discussão sobre a mobilidade urbana é de grande relevância e o tema envolve diferentes aspectos. Além de atuarem na melhoria da dinâmica do município, os projetos de mobilidade urbana darão origem a diversas oportunidades  para o desenvolvimento da região. Nesse contexto, é enfatizada a necessidade de estimular o setor turístico regional por meio do planejamento adequado da infraestrutura. A parceria entre o ITTI/UFPR e a Prefeitura de Pontal do Paraná é oportuna e promissora. Hoje, a prefeitura vem articulando em conjunto com a Universidade a elaboração do Plano de Mobilidade do município e, com base nas discussões deste debate, foi possível observar que há muitos aspectos a serem abordados e que o Plano é um instrumento fundamental para que ocorra a sinergia entre os estudos e projetos já previstos para Pontal. O tema apresentado e discutido é forte e de grande importância para a região, gerando com isso, oportunidades e melhorias em Pontal do Paraná e no entorno, promovendo o crescimento no setor turístico, de infraestrutura e qualidade de vida local”.

Ferrúcio Kochinski

Eng. Cartógrafo e Diretor Técnico do IEP

 

 

“Com certeza o Instituto de Engenharia do Paraná cumpre o seu importante papel no desenvolvimento do estado do Paraná. A faixa de infraestrutura de Pontal do Paraná é uma obra de interesse estratégico, deve ser analisada sem outro viés, não podemos sectarizar o debate. Para a engenharia, a equação tem que ser exata e o resultado ser do interesse da sociedade e do estado como um todo. Podemos preservar o meio ambiente e promover o desenvolvimento sustentável, e a Ilha do Mel se insere neste cenário de maneira positiva com vistas ao turismo, seu grande pilar econômico”.

Gilberto Espinosa

Presidente do Fórum de Defesa do Desenvolvimento de Pontal e da Ilha do Mel

 

 

“A conclusão da primeira etapa dos estudos sobre a mobilidade urbana em Pontal do Paraná, entregue pela UFPR, visando a formulação de um Plano de Mobilidade, deixou-nos muito satisfeitos e ansiosos pelas próximas etapas. Certos da criatividade e competência do corpo discente e docente desta conceituada Universidade, temos uma expectativa de que aspectos importantes, como a ciclo mobilidade, a demanda esporádica e a infraestrutura, deverão constar como pontos fundamentais nos próximos estudos.

Entendemos que a drenagem urbana poderá ser resolvida com soluções inovadoras como a transformação do sistema de coleta de esgoto em sistema misto, garantindo condições ambientais e sociais para uma melhoria da infraestrutura que suportará os modais de transporte sugeridos para a cidade. Pensar fora da caixa e planejar a curto prazo são exigências atuais que não podem deixar de estar presentes nas próximas etapas deste tão relevante projeto que desde já mostra seu sucesso e vanguarda”.

Glauco Machado Requião

Procurador Geral de Pontal do Paraná, ex-diretor de Meio Ambiente da Sanepar

 

 

“Com a realização dos estudos de tráfego e circulação do município, uma série de constatações realizadas através da avaliação técnica foi possibilitada, permitindo uma visão holística dos problemas que envolvem a mobilidade urbana de Pontal do Paraná. Apresentadas na exposição inicial, essas questões serviram como um provocador de reações nos participantes a fim de que esses contribuíssem com suas observações sobre o tema.

Dos pontos conversados que geraram maior reação, a projeção futura da qualidade de serviço oferecido pelas rodovias foi um ponto de atenção, demostrando que a ausência de projetos e ações que requalifiquem a mobilidade no município convergem para uma situação caótica. Assim, alguns projetos já existentes, mas que se encontram sem início previsto devido a tramitações administrativas e legais, como o caso da faixa de infraestrutura paralela a PR-412 e canal de macrodrenagem, entre outros projetos, entraram em discussão. Dessa experiência, a importância da realização desses empreendimentos, tanto para mobilidade quanto desenvolvimento econômico e qualidade de vida da população de Pontal ficou destacada.  Do debate, além da opinião unânime em agir agora e evitar a gradual piora da mobilidade de Pontal, também constou a boa vontade da administração pública em gerir essa questão, através de um trabalho sério e preocupado com a população”.

Gustavo Pacheco Tomas

Professor Dr. da UFPR e coordenador do Curso de Engenharia Civil do Campus Pontal do Paraná – Centros de Estudos do Mar

 

 

“Os momentos de crise, como o que estamos vivenciando, são oportunos para mostrar a criatividade e a capacidade em superar desafios. Nesse sentido, a partir dos estudos e projetos que envolvem a mobilidade urbana de Pontal do Paraná, e que foram destaque no debate promovido pelo ITTI/UFPR e pelo IEP, percebe-se que o desafio caminha para a adoção de soluções tecnológicas que harmonizem com o contexto social e ambiental e que contemplem as adversidades que foram evidenciadas por conta do período de pandemia. A iniciativa das entidades envolvidas reforça o comprometimento que essas têm para com o município. Portanto, o resultado final, que virá a partir de todos os esforços que estão sendo somados em prol do desenvolvimento do litoral, é promissor “.

Horácio Hilgenberg Guimarães

Eng. Civil e Presidente do IEP

 

 

“Fundamentais para os projetos de futuro de Pontal do Paraná e essencial para a Ilha do Mel enquanto destino turístico, os estudos sobre a mobilidades no município estabelecem um divisor, um marco na construção do nosso futuro e no desenvolvimento de Pontal”.

João Lino

Morador da Ilha do Mel há 30 anos

 

 

“As interlocuções que estão ocorrendo no contexto da mobilidade urbana do município de Pontal do Paraná se mostram uma grande oportunidade para o litoral paranaense. A projeção do cenário futuro é otimista, visto os estudos já iniciados. Por exemplo, há a previsão de várias obras de infraestrutura, por iniciativas municipais e estaduais. Além disso, há também a  mobilização perante a Prefeitura de Pontal do Paraná para a elaboração do Plano de Mobilidade, fundamental para que o desenvolvimento do litoral paranaense ocorra de  forma integrada. Assim, o debate se mostrou oportuno e é um primeiro passo essencial de todo o processo, além de evidenciar a importância que as diversas esferas administrativas caminhem em conjunto”.

José Alberto Pereira Ribeiro

Eng. Civil e Vice-presidente do IEP

 

 

“A parte inicial do debate foi dedicada à apresentação de alguns aspectos entendidos como raiz das principais disfunções relacionadas à mobilidade em Pontal do Paraná. Questões de drenagem, congestionamentos em períodos de maior demanda e elevado número de acidentes envolvendo motos e bicicletas, por exemplo, figuram entre os apontamentos feitos. Partindo da visão do Plano de Mobilidade Urbana como potencial indutor de melhorias no município, foi debatido como integrar a visão de futuro que pretende-se estabelecer para Pontal com a concretização dos principais projetos planejados para o município, tais como, nova faixa de infraestrutura, canal de macrodrenagem, ampliação do binário existente na interseção da PR-407 com a PR-412, além dos projetos fora do município que podem impactar na mobilidade local, caso da duplicação da PR-412 no trecho de Matinhos.

De forma geral, houve uma convergência de opinião para o fato de que a implantação desses projetos de grande porte precisa ser realizada o mais breve possível. Além disso foi evidenciado durante o debate a necessidade da atuação do plano de mobilidade como “cola” de todos esses projetos, pensado não somente para macro, mas também para micro mobilidade através de oferta de infraestrutura adequada voltada ao ciclismo e caminhabilidade. Em suma, uma experiência enriquecedora, que deu voz tanto às pessoas com experiência técnica quanto representantes da comunidade local, que conhecem os anseios da população, unidos no mesmo objetivo: identificar oportunidades de melhoria para a mobilidade de Pontal”.

Luziane Machado

Eng. Civil e Msc. em Planejamento Urbano da equipe técnica do Plano de Mobilidade de Pontal do Paraná

 

 

“Minhas considerações a respeito da Mobilidade Urbana no município de Pontal do Paraná estão concentradas, prioritariamente, no trecho que compreende as faixas da PR-407, que inicia na BR-277 até Praia de Leste, e, continuando pela 412, passando por Ipanema e Shangrilá até Pontal do Sul, onde encontra-se o terminal de embarque da Ilha do Mel. Esse trecho, em razão do elevado crescimento demográfico na região, com surgimento de inúmeros balneários ao longo dos 20 km de extensão, vem sofrendo nos últimos anos inúmeros congestionamentos de veículos, nos finais de semana e principalmente nos feriados prolongados.

Defendo a execução urgente de obras como o binário de Praia de Leste com projeto aprovado, aguardando execução; obras do acostamento da pista de Shangrilá até Pontal do Sul; e a obra de infraestrutura da PR-407 até o Atami, numa extensão de 20 km. A Ilha do Mel, hoje, é um dos principais pontos turísticos do Paraná, que recebe milhares de visitantes, oriundos de outros estados da federação e principalmente do exterior. A falta de um sistema viário eficiente, tem prejudicado imensamente, tanto o desenvolvimento do município de Pontal do Paraná, como o acesso dos visitantes à Ilha do Mel que, muitas vezes pelo congestionamento, perdem vôos programados no aeroporto Afonso Pena, para retorno da sua viagem”.

Renato Adur

Assessor Especial do Governo do Paraná

 

 

“Há tempo são conhecidos os problemas para a mobilidade em Pontal do Paraná. Na época de alta temporada, por exemplo, viram notícia o tráfego intenso e quase parado, o crescimento do número de acidentes e o trânsito limitado em várias localidades em razão dos alagamentos. Esses problemas trazem consequências danosas ao turismo regional, à economia local e, especialmente, à qualidade de vida da população. Além disso, dados recentes indicam que essa situação tende a piorar caso não sejam adotadas providências estruturantes.

Apesar da pandemia causada pelo novo coronavírus, algumas iniciativas estão em curso. Por exemplo, a Prefeitura de Pontal do Paraná está com várias obras em andamento e tratando do Plano de Mobilidade da cidade. Já o Governo do Estado, entre outras ações, está dando andamento às providências para implantação da faixa de infraestrutura. Porém, para garantir o desenvolvimento sustentável da região, no qual a mobilidade tem papel estratégico, é necessário planejar e agir com maior rapidez. Nesse sentido, um dos principais desafios é harmonizar as soluções do ponto de vista social, econômico e ambiental, com uma visão de futuro integrada e construída coletivamente, especialmente, com a participação da comunidade local. Assim, para uma próxima oportunidade fica a sugestão de debater o plano de desenvolvimento sustentável do litoral paranaense”.

Roberto Gregorio da Silva Jr.

Professor Dr. da UFPR e Superintendente do ITTI/UFPR

 


“O debate e as trocas de ideias resultantes foram muito importantes para o desenvolvimento do município. A prefeitura já vem atuando no contexto da mobilidade urbana, mas as parcerias estabelecidas são fundamentais nesse processo. Hoje, a prefeitura está com diversos estudos e projetos engatilhados, como a pavimentação da avenida principal até o Balneário Shangrilá e a implantação de ciclovias. Diante desse contexto, o auxílio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura da Universidade Federal do Paraná caminha no sentido de garantir que as soluções a serem incorporadas sejam as mais adequadas possíveis, sob o contexto tecnológico e ambiental”.

Vinicius Carli

Eng. Civil e Secretário Municipal de Infraestrutura de Pontal do Paraná

 

Perdeu o debate? Confira o vídeo na íntegra: