Devido a relevância do Estudo, o assunto foi apresentado para deputados e autoridades do setor hidroviário brasileiro e da América do Sul

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai foi tema de uma audiência pública esta semana na Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara de Deputados, em Brasília. O requerimento para o assunto ser discutido na casa legislativa foi apresentado pelos deputados Hugo Leal e Christiane Yared.

Na audiência, o coordenador-geral do EVTEA, o prof. Dr. Eduardo Ratton, e a engenheira Civil Flávia Waydzik, que faz parte da equipe técnica do Estudo, apresentaram os resultados obtidos nos estudos realizados ao longo do trecho brasileiro da Hidrovia do Rio Paraguai, entre Cáceres/MT e a foz do Rio Apa, em Mato Grosso do Sul, somando 1.270 km.
“É de essencial apresentar o problema aos parlamentares uma vez que estes poderão propor medidas efetivas para o incentivo ao uso das hidrovias brasileiras através, por exemplo, de medidas de desoneração de insumos e da facilitação das questões alfandegárias e de vigilância sanitária que hoje são obstáculos apontados pelas empresas do setor de navegação e pelo setor produtivo”, ressalta Ratton.

Também participaram da mesa de debate, que foi presidida inicialmente pelo deputado Gonzaga Patriota, o administrador da Hidrovia do Rio Paraguai, Marcos Derzi, o diretor de Infraestrutura Aquaviária do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Erick Moura, e o diretor-executivo do Movimento Pró- Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz, que discutiram as potencialidades futuras da Hidrovia, as ações para a melhoria da infraestrutura, o transporte de novas cargas, além da implantação e reestruturação de terminais portuários.

“O setor produtivo brasileiro é extremamente competente da porteira para dentro, e perde grande parte da competitividade da porteira para fora porque infelizmente nosso sistema de transporte é baseado no rodoviário. A questão de custos para o setor produtivo é fatal. Uma das grandes alternativas que nós temos é o transporte hidroviário, ele é muito mais eficiente, é mais econômico e ecológico. Temos que resolver os problemas de todos os rios que nós tivermos condições de navegar”, ressaltou Vaz.

 

EVTEA do Rio Paraguai
O Estudo é resultado de um Termo de Cooperação entre a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e o Dnit que, para realizar o levantamento, realizaram cinco expedições de campo somando 4 mil km navegados pelos rios Paraguai, Miranda e Cuiabá. Três das expedições foram realizadas em parceira com o 6º Distrito Naval de Ladário, da Marinha do Brasil, com o qual a UFPR assinou um Acordo de Cooperação permitindo a troca de experiências, a coleta de informações e a proposição de ações com o objetivo de melhorar a Hidrovia.
A Hidrovia Paraguai- Paraná tem ao todo 3.442 km e contempla cinco países: Brasil, Paraguai, Bolívia, Argentina e Uruguai, sendo um dos mais importantes eixos de integração política econômica, social e econômica da América do Sul.
Foram dois anos de estudos que resultaram em cinco produtos: Relatório do Estudo; Relatório dos Estudos e Projetos dos Melhoramentos Cotejados; Estudos hidráulicos, hidrodinâmicos, de balizamento e sinalização; Estudos Econômicos; Diagnóstico Ambiental; Relatório de Custos e Aspectos Jurídicos.
“A Hidrovia é a opção que apresenta um custo mais baixo, mais viável. Imagina a hora que o setor produtivo se conscientizar da facilidade as hidrovias todas podem promover. Será maravilhoso. Este País há de crescer muito, com um custo que vai beneficiar a todos”, destacou a deputada Christiane Yared, que presidiu parte da audiência pública.
Audiência pública
Em Brasília, o evento contou com a participação do DNIT, Receita Federal, Marinha do Brasil e membros do Parlamento do Mercosul representantes da Bolívia, do Paraguai e do Uruguai.
A audiência na CVT marcou o encerramento de um circuito de palestras realizadas em diversas cidades para a divulgação dos resultados do EVTEA e para esclarecimentos de dúvidas da sociedade. O Road Show, que foi promovido em Cáceres, Corumbá e Campo Grande, teve por objetivo acolher a participação de todos os agentes interessados na Hidrovia.
“É a primeira vez que o Dnit está fazendo este tipo de movimento no setor aquaviário, de ouvir a sociedade e o movimento de logística. Estes Road Shows que vão acontecendo nas cidades vão aprimorando o que gente conseguiu fazer nos estudos, por que às vezes os estudos têm um paradigma e a gente escuta o usuário, escuta a sociedade e ajustes são feitos”, afirma Moura.

Assessoria de Comunicação Social
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | [email protected]